Tradução do Artigo da Inside Climate News: "Activists Eye a Superfund Reboot Under Biden With a Focus on Environmental Justice and Climate Change"

Olá, pessoal. Segue abaixo a tradução completa do belo artigo "Activists Eye a Superfund Reboot Under Biden With a Focus on Environmental Justice and Climate Change", escrito por David Hasemyer and Lise Olsen em 28/12/2020 e publicado na Inside Climate News  (https://insideclimatenews.org/news/28122020/superfund-biden-environmental-justice-climate-change/)

Muito importante para nós por falar do Superfund, programa dos EUA criado para remediar áreas contaminadas e, pode-se dizer, a razão pela qual o Gerenciamento de Áreas Contaminadas se desenvolveu no mundo todo. Comento o texto na Newsletter #031, e vai aqui embaixo a tradução completa

OBS: Resolvi mudar um pouco a ordem dos subcapítulos aqui na tradução para facilitar o entendimento e a relação com a nossa realidade. Não deixem de ver o artigo original!!!!


Ativistas vislumbram um reinício do Superfund sob o governo Biden com foco na justiça ambiental e combate às mudanças climáticas

O programa da EPA para remediar os depósitos de resíduos perigosos do país tem um acúmulo de sites sem financiamento - o maior em 15 anos.


O grande desafio enfrentado pela Agência de Proteção Ambiental (EPA) da administração Biden em gerenciar 1.570 locais de resíduos perigosos é melhor resumido em um nome que se tornou sinônimo de tarefa assustadora: Superfund.

O “Superfund” começou como um fundo fiduciário criado pelo Congresso em 1980 para financiar remediações, pago por bilhões de dólares em impostos sobre as indústrias química e de petróleo. O Congresso permitiu que o imposto expirasse há 25 anos.

Agora, com o fundo fiduciário sem recursos, Superfund se tornou o nome de um programa federal drasticamente subfinanciado responsável por garantir que as indústrias responsáveis por essas áreas contaminadas façam a recuperação delas, se possível. A EPA assume os encargos financeiros usando fundos orçados em locais onde as entidades responsáveis não existem mais ou não podem ser encontradas (no Brasil, chamamos de "áreas órfãs")

O presidente eleito Joe Biden vai herdar 34 sites do Superfund para os quais não existe financiamento confiável para remediação, o maior acúmulo de sites sem financiamento em 15 anos. O acúmulo tem crescido constantemente sob a administração Trump. 

Biden também assumirá a responsabilidade por 945 locais do Superfund identificados no ano passado pelo Government Accountability Office (GAO) como vulneráveis a furacões, inundações, incêndios florestais e aumento do nível do mar relacionados ao clima. A administração Trump parou de se referir às mudanças climáticas e praticamente encerrou a consideração desses riscos ao supervisionar os sites do Superfund.

Os democratas do Senado, ambientalistas e ex-funcionários da EPA dizem que esperam que o governo Biden se esforce para criar um novo impulso reativando imediatamente os planos do governo Obama para incluir as mudanças climáticas em seus planos de remediação.

“Mesmo antes de assumir o cargo, a administração Biden cumpriu uma das principais recomendações do GAO: reconhecer a ameaça climática”, disse o senador Sheldon Whitehouse (D-R.I.). “Uma EPA do Governo Biden precisará avaliar todos os projetos federais do Superfund e ajudar os estados a fazer o mesmo. Como o GAO mostrou, a mudança climática traz uma nova prioridade para o trabalho de remediação rápida do Superfund. ”

Uma investigação do programa Superfund por Inside Climate News, NBC News e The Texas Observer descobriu que a EPA de Trump abandonou amplamente os planos de adaptação climática formulados pelo governo Obama e apagou as palavras "mudança climática" do plano estratégico de cinco anos da agência.

“Com o presidente eleito Biden no comando, a EPA será mais uma vez guiada pela ciência, e a mudança climática será uma consideração importante em todas as ações da agência”, disse o senador Tom Carper (D-Del.), um aliado próximo de Biden e o democrata de posição no Comitê de Meio Ambiente e Obras Públicas do Senado.

O foco de Biden nas mudanças climáticas durante a campanha foi acompanhado por uma ênfase na justiça ambiental, que também deve se tornar uma prioridade central do programa Superfund.

“Comunidades localizadas no entorno dos sites do Superfund são desproporcionalmente comunidades de pessoas negras ou comunidades em desvantagem econômica, e essas comunidades também seriam mais vulneráveis quando um site do Superfund fosse comprometido por uma inundação, furacão, incêndio florestal ou outro evento climático extremo”, disse Carper. “Fortificar os locais do Superfund contra os riscos das mudanças climáticas não é apenas uma questão de uma boa política climática, é também uma questão de justiça ambiental.” (grifo do tradutor)

Biden, que nomeou Michael S. Regan, secretário do Departamento de Qualidade Ambiental da Carolina do Norte, como administrador da EPA, disse que criará uma Divisão de Justiça Ambiental e Climática dentro do Departamento de Justiça para ir atrás dos poluidores. Ele observou em um documento de posição de campanha que o Trump EPA encaminhou o menor número de processos por poluição ao DOJ (Departamento de Justiça dos EUA) em 30 anos.

No mesmo artigo, Biden disse que também criaria uma “ferramenta de triagem de justiça econômica e climática” para identificar comunidades ameaçadas pelos impactos cumulativos das mudanças climáticas, desigualdade racial e “poluição ambiental de múltiplas fontes”. O presidente eleito também se comprometeu a destinar 40% de todos os recursos alocados em seu plano climático de US$ 2 trilhões para comunidades de justiça ambiental e suas necessidades de treinamento profissional, desenvolvimento comunitário e remediação do "legado de contaminação".

A equipe de transição do Biden não respondeu aos pedidos de entrevistas.

Mas o otimismo gerado pelo foco de Biden nas mudanças climáticas e justiça ambiental é temperado entre ambientalistas, ativistas e especialistas dentro e fora do governo por uma série de desafios na EPA, que foi esvaziada por guerras ideológicas, renúncias e cortes no orçamento.

O orçamento de US$ 9 bilhões da EPA é menos da metade do que a agência gastou em 1980, quando ajustado pela inflação. A força de trabalho de 14.172 membros da agência está em seu nível mais baixo em 33 anos.

O acúmulo de sites não financiados do Superfund em 17 estados e em Porto Rico, inclui uma mina abandonada no Maine, onde um poço de rejeitos a céu aberto está contaminado com arsênio e chumbo; uma instalação de preservação de madeira na Louisiana contaminada com creosoto e uma gama de compostos orgânicos voláteis (VOCs); e uma instalação de armazenamento de grãos em Nebraska contaminada por um agrotóxico contendo tetracloreto de carbono. Dezenove das 34 áreas órfãs estão ameaçados pela mudança climática, descobriu o GAO.

Kathy Setian, uma ex-gerente do site EPA Superfund, advertiu que alguns dessas áreas órfãs apresentam perigos desconhecidos porque eles não tiveram o mesmo trabalho de gerenciamento de áreas contaminadas sustentado como os sites de remediação totalmente financiados pelas empresas ou pelo Superfund.

“Se houver ameaças das mudanças climáticas às áreas órfãs não sabemos quais são, porque nem mesmo estamos olhando para eles para mitigar”, disse Setian. “As ameaças não estão sendo tratadas.”

Revendo os Acordos de Trump

Além da convocação de Whitehouse para avaliações de ameaças climáticas em cada local, um ex-funcionário sênior da EPA disse que a nova administração Biden deveria revisar todos os acordos negociados pela Trump EPA em locais do Superfund com empresas responsáveis pelas remediações.

“Você vai querer ver se as partes responsáveis (Responsáveis Técnicos) estavam recebendo tratamento preferencial”, disse Mathy Stanislaus, que atuou como administradora assistente do Escritório de Gestão de Terras e Emergências da EPA durante o governo Obama.

Stanislaus disse que tais revisões deveriam se concentrar primeiro em quaisquer acordos negociados pela EPA desde a eleição de Trump. Desde 2019, a agência é administrada por Andrew Wheeler, um ex-lobista da indústria do carvão, enquanto o programa do Superfund é liderado por Peter C. Wright, um advogado que já trabalhou para a Dow Chemical e representou a empresa nas negociações com a EPA sobre os sites do Superfund.

Stanislaus disse que também está preocupado com uma lista de recomendações de 2017 explicando maneiras de agilizar o processo de remediação sugerido por uma Força-Tarefa do Superfund estabelecida por Scott Pruitt, o primeiro administrador de EPA de Trump. Como procurador-geral de Oklahoma, Pruitt foi um dos críticos mais hostis da EPA.

Um dos incentivos que Pruitt incumbiu a EPA de considerar como meio de acelerar as remediações foi reduzir a carga sobre as "partes cooperantes" ou empresas que estão trabalhando com a EPA para descontaminar seus locais, um objetivo que Stanislaus disse que poderia ser lido como um convite para fazer acordos favoráveis com a indústria. A força-tarefa também recomendou a redução dos custos de supervisão para corporações “que realizam trabalho oportuno e de alta qualidade”.

A EPA não respondeu aos pedidos de comentários.

No início de setembro de 2017, Pruitt marcou pontos com líderes comunitários e ativistas ambientais em Houston quando visitou um notório local do Superfund, os San Jacinto Waste Pits, que foi inundado por enchentes durante o furacão Harvey.

Uma equipe de mergulho da EPA tinha acabado de confirmar que o dano a uma tampa de concreto havia levado a um vazamento de dioxina rio abaixo, e Pruitt anunciou que a substância cancerígena altamente perigosa seria finalmente removido do local.

Mas, à medida que a nova administração Biden assume o programa, o cronograma de Trump para remoção foi estendido de 27 meses para cerca de sete anos, e a EPA relaxou os requisitos propostos para a eliminação dos resíduos. Ambientalistas argumentaram que a amostragem do local foi falha e que os resíduos removidos devem ser descartados em um local mais seguro do que o proposto atualmente.

Rock Owens, que supervisionou a divisão ambiental do Procurador da Comarca de Harris por mais de 20 anos antes de sua aposentadoria em outubro, disse que espera que a nova equipe imponha padrões de descarte mais rígidos. “À medida que passam pelo processo de design, essas coisas serão revisadas - e nossa esperança é que essas questões sobre o descarte sejam aprofundadas”, disse ele.

Nesse ínterim, os depósitos de resíduos de San Jacinto permanecem vulneráveis a novos vazamentos - especialmente com furacões mais fortes estimulados pela mudança climática.

Em condados costeiros vulneráveis como Harris, Owens disse, “temos que resolver o problema da mudança climática - ela está ligada a tudo”.

Porto de Portland: uma análise de um bilhão de dólares para a EPA de Biden?

Ambientalistas em Oregon dizem que o site do Superfund Portland Harbor também exemplifica a necessidade de revisão pelo novo governo Biden.

Duas semanas antes da posse do presidente Donald Trump em janeiro de 2017, o governo Obama divulgou seu plano final para remediar o solo contaminado e resíduos tóxicos do local, um trecho de 16 quilômetros do rio Willamette.

Em menos de um ano, as autoridades estaduais e locais deram o alarme de que a EPA de Trump estava se movendo para reverter a limpeza para beneficiar algumas das 150 entidades "no anzol" por seu preço de US$ 1,05 bilhão.

A EPA de Trump acabou parando o plano e reduziu seu custo em US$ 35 milhões. Os planos de projeto para grande parte do projeto de dragagem e remoção de solo continuam.

A ambientalista de Portland Cassie Cohen disse que a modificação de Trump, em um documento chamado Explanation of Significant Differences, não leva em conta as ameaças climáticas e os anos de danos desproporcionais sofridos em grande parte pelos nativos americanos e outros que trabalham, vivem perto e pescam no rio Willamette.

Em longos comentários públicos sobre o documento de Trump, a organização de Cohen levantou inúmeras questões que a administração Biden agora terá de responder, começando com sua alegação de que as empresas e outras entidades responsáveis pelos custos de remediação se beneficiaram de "acesso especial" e "influência" sobre, a EPA de Trump.

“É hora de as negociações secretas sobre a limpeza do porto de Portland e assuntos relacionados pararem”, disse a Coalizão da Comunidade do Porto de Portland. “Estamos chocados e desapontados com a proposta da EPA no ESD de enfraquecer os padrões e reduzir o escopo da remediação.”

A coalizão disse que o plano modificado por Trump não considera adequadamente os desastres relacionados à mudança climática, "incluindo grandes terremotos, enchentes e cenários de seca previstos e como eles afetarão a recontaminação".

A Explicação das diferenças significativas de Trump também provavelmente viola o Título VI da Lei dos Direitos Civis, de acordo com a coalizão, por não abordar os riscos desproporcionais à saúde da contaminação tóxica enfrentados por gerações por “Negros, Nativos Americanos, Imigrantes e Refugiados e Comunidades de sem-teto. ”

Em resposta às perguntas para este artigo, um porta-voz da EPA forneceu trechos do documento de diferenças significativas da agência. No documento, a EPA nunca respondeu às preocupações da comunidade de que seus planos falharam em abordar totalmente as mudanças climáticas.

Mas a agência argumentou que havia fornecido maior acesso ao processo de remediação do que "exigido pela lei do Superfund" e alegou que a proposta de plano de remediação para o local "não nega todos os trabalhos anteriores de justiça ambiental e informações coletadas e a necessidade de medidas ambientais trabalho de justiça para continuar. ”

Sites não financiados (sem dono conhecido): o que acontece quando o dinheiro acaba?

Todos os anos, Ana Baptista se pergunta se haverá dinheiro para continuar a remediação de substâncias tóxicas que saturaram o solo ao redor de uma antiga fábrica de produtos químicos na orla de Ironbound, um bairro de maioria negra em Newark, New Jersey.

A resposta este ano foi não. Não havia dinheiro da EPA para continuar o trabalho iniciado para remediar os perigos de mais de 50 produtos químicos tóxicos que se infiltraram nas águas subterrâneas do local fechado do site Superfund White Chemical Corp. A falta de financiamento colocou o site na lista crescente de sites sem financiamento ou órfãos da EPA.

A White Chemical produziu ácido clorídrico e compostos retardadores de fogo na propriedade de 4,5 acres entre 1983 e 1990. A EPA encontrou 10.000 tambores de 55 galões de substâncias perigosas armazenados indevidamente nas instalações, que foram designadas como um local de Superfund em 1991. A empresa acabou indo à falência, deixando a EPA para pagar pela reabilitação.

Desde então, o governo forneceu aproximadamente $32 milhões para o trabalho de limpeza no local, financiamento que deve ser riscado do orçamento da EPA todos os anos. É um dos cinco sites do Superfund em Nova Jersey que ficaram sem financiamento no ano passado.

Os dólares federais secaram em setembro de 2019 para o trabalho na White Chemical, um dos três locais do Superfund nos arredores do bairro Newark de Baptista que são vulneráveis às ameaças das mudanças climáticas, e nenhum novo financiamento foi autorizado.

“A incerteza de quando o local será remediado porque não há dinheiro é frustrante”, disse Baptista, ex-diretor de justiça ambiental e planejamento da Ironbound Community Corp., uma organização sem fins lucrativos local. “Deixa a contaminação sem solução por muito mais tempo e, portanto, as pessoas ficam expostas à contaminação por muito mais tempo.”

É outro exemplo do governo ignorando a situação difícil de seu bairro, disse Baptista.

Lidar com remediações que não têm um Responsável Legal que possa ser financeiramente responsável pelo trabalho de remediação tem atormentado a agência por décadas, desde que o Congresso permitiu um sistema de taxas pagas ao "Superfund" pelas indústrias química e de petróleo chamado de imposto “O poluidor pagador” expirou em 1995. Em 2003, o Superfundo estava falido.

“Dado o estado de financiamento e o fato de que mais projetos estão aguardando financiamento de construção ... A EPA perdeu ímpeto em avançar com as remediações”, disse Jim Woolford, que se aposentou no início deste ano após servir 14 anos como diretor do escritório de Remediação Superfundo e Inovação Tecnológica para a EPA.

Justiça ambiental: anos de promessas quebradas

Quando a EPA de Obama procurou em 2009 por 10 bairros desfavorecidos próximos aos locais do Superfund para participar de um programa de Comunidades de Justiça Ambiental, as autoridades selecionaram o Eastside em Jacksonville, Flórida, perto do local do Site Superfund Kerr-McGee, uma instalação de antiga manufatura e armazenamento de pesticidas e fertilizantes.

Cada uma das 10 comunidades, de Staten Island, Nova York, a Yakima Valley, Washington, recebeu doações de US$ 100.000 para tratar de questões de justiça ambiental. A quantidade relativamente pequena correspondia às ambições modestas do programa de justiça ambiental da EPA na época.

Em Jacksonville, falou-se na construção de um centro de saúde abrangente. Mas o programa incluiu apenas financiamento suficiente para um estudo de peixes e crustáceos em riachos de pesca locais, a colocação de 24 placas alertando sobre os perigos de comer os peixes e um seminário sobre como construir barris de chuva, de acordo com a EPA.

“Temos batido à porta da EPA há 20 anos”, disse Teena Anderson, membro do Conselho Ambiental Eastside, uma organização de base formada para representar os residentes em torno do local de Kerr-McGee, que defendia treinamento profissional, programas de nutrição e ajuda para idosos. “Não temos muito o que mostrar.”

A última proposta de orçamento de Trump incluiu uma redução de 70 por cento nos gastos da EPA em programas de justiça ambiental, de $ 9,5 milhões para $ 2,7 milhões.

Mustafa Santiago Ali, que atuou como administrador associado no escritório de justiça ambiental da EPA no governo Obama, disse que compreende o cinismo que Anderson sente após anos de expectativas não atendidas.

“Será necessário reconstruir a confiança entre o governo federal e as comunidades da linha de frente”, disse Ali, que agora é vice-presidente de justiça ambiental, clima e revitalização comunitária da National Wildlife Federation.

Biden propôs elevar o Conselho Consultivo de Justiça Ambiental da EPA e o Conselho Interagências de Justiça Ambiental como entidades da Casa Branca, com ambos subordinados à presidência do Conselho de Qualidade Ambiental da Casa Branca.

Além de criar a Divisão de Justiça Ambiental e Climática dentro do Departamento de Justiça, Biden propôs reformar o Gabinete de Conformidade de Direitos Civis Externos da EPA para capacitar as comunidades sob o Título VI da Lei de Direitos Civis de 1964 “que experimentam os piores impactos da mudança climática e comunidades de cercas que estão localizados ao lado de fontes de poluição. ”

Para isso, seu EPA não precisa ir além do programa Superfund. Um estudo da EPA em setembro descobriu que um número desproporcional de pessoas negras vivia a menos de 3 milhas dos locais do Superfund, destacando o fato de que comunidades historicamente mal servidas ficam à sombra desses locais contaminados.

No bairro Eastside de Jacksonville, 81% dos residentes são pessoas negrase 30% das famílias vivem abaixo da linha de pobreza.

De seu jardim da frente, Carol Gafney pode ver uma cerca de arame em torno do local Kerr-McGee Superfund de 31 acres, agora um vasto terreno vazio onde grandes quantidades de fertilizantes, pesticidas e herbicidas foram fabricados e armazenados de 1893 a 1978. Como muitos em seu bairro, Gafney depende de vale-refeição e se esforça para pagar o carro e a casa. Ela disse que se sente abandonada pelas agências governamentais, especialmente a EPA.

“Vivemos onde ninguém se importa conosco”, disse ela.

A remediação do site Kerr-McGee caminha lentamente após 10 anos no programa Superfund, uma década que produziu pouco mais que ressentimento, medo e frustração no Leste.

“Esta é a chance para a EPA intensificar e cumprir suas promessas”, disse Anderson, o ativista de Jacksonville.

Além de cumprir a ideia de um centro de saúde discutida há uma década, ela disse que espera que a EPA ajude a comunidade com o desenvolvimento de habilidades profissionais, programas de nutrição e programas para idosos.

Um grande primeiro passo, disse ela, seria a agência entrar na comunidade e ouvir.

“A comunidade precisa participar da redação da narrativa de seu futuro”, disse Anderson. “Ao vir para a comunidade, eles estarão enviando uma mensagem de que estão corrigindo alguns erros.”


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Serviços da ECD

ECD Ambiental

Newsletter ECD #014