Sugestões da ECD para modificações na SMA-90

Segue abaixo texto elaborado pela ECD como sugestão de melhora na aplicação da Resolução SMA-90, sem perder de vista a luta pela qualidade nos trabalhos de gerenciamento de áreas contaminadas, em especial a etapa de coleta de dados geoambientais.
O texto refere-se à colaboração solicitada pela FIESP aos presentes na reunião promovida por essa entidade no dia 26/02/2013. A ECD contribuiu com um texto que trata do caso particular das amostragens de solo subsuperficial.
Após todas as contribuições, a FIESP encaminhou uma proposta única de todo o setor para a Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo e em breve deverá divulgar, tanto a proposta consolidada, quanto a resposta da Secretaria.

Abaixo, o texto elaborado pela ECD

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas, nas suas etapas de Investigação Confirmatória e Investigação Detalhada, obrigam o Responsável Técnico a efetuar uma amostragem de solo adequada ao modelo conceitual da área. Nas etapas de Avaliação de Risco e Plano de Reabilitação, essa amostragem de solo nem sempre é obrigatória, mas, muitas vezes, é necessária para um adequado diagnóstico da área.
Na maior parte das vezes, a amostragem de solo tem de ser feita em subsuperfície, ou seja, a profundidades maiores que 1,0 m. Uma das normas utilizadas é a NBR 15.492:2007 – Sondagem de reconhecimento para fins de qualidade ambiental – Procedimento. A amostragem de solo subsuperficial também faz parte dos procedimentos da CETESB, como o “Procedimento para Identificação de Passivos Ambientais em Estabelecimentos com Sistema de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis (SASC)”.
Neles, percebe-se alguns pontos que dificultam a aplicação imediata da SMA-90, como:

- A amostragem de solo deve estar relacionada com o modelo conceitual, ou seja, é totalmente dependente das condições do meio físico (tipo de solo, granulometria, coesão, saturação, nível d’agua, entre outros). Existem inúmeros métodos de amostragem de solo, e para cada situação do meio físico, há uma hierarquia de ferramentas e/ou procedimentos para se obter uma amostra representativa. Essas não tem relação com a metodologia de análise ou mesmo com o composto químico de interesse, mas sim, com a hidrogeologia da área. Desta forma, um laboratório, mesmo acreditado, não possui a competência técnica nem tampouco as ferramentas e tecnologias necessárias para executar uma adequada amostragem de solo subsuperficial. O plano de amostragem deve ser elaborado por quem está elaborando o modelo conceitual (Responsável Técnico) e a execução deve ser realizada por uma empresa especializada nesse tipo de amostragem.
- A amostragem para compostos voláteis deve ser realizada por meio da cravação de tubos tipo “liner”, de acordo com os procedimentos da CETESB citados. A execução dessa cravação em profundidades maiores exige um equipamento, ferramental, tecnologia, procedimentos e treinamentos específicos. Muitas vezes são necessários equipamentos mecanizados de grande porte, que somente empresas especializadas nesse setor possuem. Os laboratórios não têm nada disso, nem é de interesse deles executar esse serviço muito específico, pois foge totalmente do seu escopo.

   



Figura 1: Amostragem de solo pelo método “Direct Push” mecanizado. Exemplo de máquina (acima) e amostrador tubular liner (abaixo)

Desta forma, se existem dúvidas sobre a capacidade dos laboratórios atualmente acreditados para atender a grande demanda de amostragem de água subterrânea, essa dúvida não existe sobre a capacidade de atender a demanda de amostragem de solo subsuperficial: os laboratórios atualmente acreditados não tem condição nenhuma de realizar esse serviço, nem agora, nem em um horizonte curto de tempo.
Ainda existe uma outra consideração a ser feita: a acreditação pela ISO 17025 não leva em conta a especificidade da amostragem de solo subsuperficial. Para que essa amostragem tenha a qualidade necessária, propomos que seja elaborada uma acreditação específica para essa atividade, com normas a serem definidas.

Figura 2: Equipamento portátil de amostragem de solo pelo método “Direct Push” mecanizado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aula Prática no Curso de Remediação de Áreas Contaminadas do SENAC

ECD no Curso de Investigação de Áreas Contaminadas da AESAS e SENAC